Globalização e o desmanche do Brasil (Artigo de jornal)

Entre os anos 80 e 90 do século XX o Brasil conheceu profundas transformações estruturais que repercutem no momento atual. Houve dois eventos importantes. Um deles foi a crise do modelo nacional-desenvolvimentista implantado no pós-segunda guerra, visando promover o desenvolvimento acelerado do pais sob a égide do estado. A crise deste modelo nos anos 80 foi agravada com as desastradas intervenções do governo Sarney para controla os preços e evitar a inflação. A imagem negativa do estado foi acirrada com as tentativas do governo Collor de congelar as poupanças bancárias. O segundo evento, nos governos de F.H. Cardoso, foi a penetração das teses neoliberais voltadas para liberar a economia de mercado e para privatização de empresas estatais. A opinião pública, reticente com o estado, se entusiasmou com os novos ventos da globalização. Muitos previam o fim dos estados nacionais. A recepção positiva da globalização se apoiou na “queda” do muro de Berlim, sugerindo o início de uma democracia liberal global sob a proteção dos Estados Unidos. O consenso de Washington, em 1989, visando a ampliação do neoliberalismo na América Latina, reforçou a tese da globalização da economia latino-americana.

Os defensores das teses nacional-desenvolvimentistas ficaram enfraquecidos sobretudo porque a opinião pública identificava no estado a origem de todos os males. A globalização aparecia com a síntese de realização de um sonho importante de décadas: a da entrada do Brasil no circuito global. Um mundo sem fronteiras, sem estados nacionais no qual todos seriamos cidadãos globais. Hoje, fazendo a retrospectiva dos acontecimentos podemos constatar os erros de avaliações.

As fraturas do estado nacional revelam novos e cruéis arranjos de poder envolvendo o capitalismo especulativo e rentista internacional e nacional e frações importantes das elites econômicas, burocráticas e políticas, ameaçando desmanchar o Brasil. O mundo piorou e o país vive o perigo da recolonização territorial. Há que se reconhecer que a única resistência viável contra os assédios do capitalismo especulativo e rentista internacional são os estados nacionais.  A sobrevivência de sociedades pós-coloniais como a brasileira exige necessariamente um aparato estatal apoiado num sistema nacional autocentrado para retomar investimentos na economia, no social e no cultural.  Soberania nacional, estado planejador das atividades territoriais de médio e longo prazo e nação sentimental organizada na sua pluralidade são condições fundamentais para se repensar a utopia do desenvolvimento nacional e democrático.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Site no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: