Benefícios da dádiva em sociedades de risco (Artigo de jornal)

Os sociólogos Giddens (1991) e Beck (1992) afirmam que entramos numa era de altos riscos, marcadas pela destruição e perda de confiança no progresso. Mas o que eles propunham como saída, uma análise reflexiva da modernidade, não está tendo suficientemente eco na política e na sociedade. Eles não entenderam que a desesperança pode levar justamente para uma direção contrária: aquela do anti-intelectualismo que fomenta o ataque contra a ciência, contra as evidências e contra o bom senso. A desesperança não produz necessariamente uma maior consciência sobre o bem-viver em comunidades abertas. Ela tem estimulado líderes salvacionistas que pregam políticas de ódio. Mas os avanços rápidos da crise ambiental que vivemos, agora, pela destruição do meio ambiente como os incêndios na floresta amazônica, estão acendendo o sinal de alerta sobre os perigos visíveis de destruição de nossas condições de sobrevivência.

A desorganização não é somente do mundo externo, mas também do nosso mundo interno. O excesso de informações catastróficas e, muitas delas, mentirosas, está contribuindo para aumentar a ansiedade e a depressão. Os ansiolíticos e os antidepressivos são soluções paliativas, exigindo que encontremos outras saídas. Temos muito o que aprender com gerações anteriores que não conheciam a televisão, o rádio e a internet e mesmo a eletricidade. As pessoas viviam num tempo mais cadenciado. Acordar cedo com o dia nascendo e se deitar com a noite chegando, contribuía para uma vida mais regular. Prestar atenção na qualidade das relações é fundamental. Observar os sentimentos do que está se fazendo quando se fala, se come e se diverte. A discussão sobre os sentidos da dádiva, do dar, do receber e do retribuir, é importante para esta aprendizagem. Publiquei recentemente um livro sobre o assunto intitulado “Itinerários do dom: Teoria e sentimento” (Ateliê de Humanidades, Rio, 2019). Trata-se de uma reflexão acadêmica, mas com interesses práticos, acompanhando um debate que vem se expandindo sobre as condições do bem-viver.

Os comentários estão encerrados.

Site no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: